5 Coisas (Semi) Úteis sobre ter o hábito de ler Livros

By | quarta-feira, maio 16, 2012 4 comments


Eu sei o que você tá pensando. Listinhas genéricas são tão confiáveis quanto reportagem de política no TV FAMA, então para não enganar você com qualquer tipo de onipotência blogueira, vou logo falando: Eu não sou o dono da verdade e isso aqui é puramente para o seu entretenimento. Entretanto, não vou tirar a minha escassa auto-estima e subestimar o meu conhecimento de campo na arte de perder tempo lendo alguma coisa por aí, então veja bem a minha proposta: Se você está afim de ganhar cinco motivos do porque você deve carregar um pesinho extra na sua mochila... Vai por mim, isso irá acrescentar muito mais do que você pensa na sua vida. E não estou falando de dicas do Ministério da Educação. Somos práticos, queridos. A vida é muito mais do que ter consciência do bem (óbvio) que ler nos faz. Isso aqui são os acréscimos, o bonus stage que nem todo mundo parece enxergar na hora de se orgulhar por ser um leitor assíduo.

  • As pessoas acreditam mais na sua palavra ( E você nem precisa estar certo) 
Trabalho em grupo, tensão no ar. Ninguém tem ideia do que diabos uma "Análise Psico-Social Imagética" significa, mas é exatamente isso que a professora escreveu na lousa como tarefa. Para ser feita em menos de meia hora. Valendo nota. 70% dela, até. De uma matéria tão fácil quanto twittar em latim arcaico os dois volumes de Les Miserables na íntegra. Todo mundo decide chutar um possível conceito para essa modelo de trabalho nada popular e, mil balelas depois, o povo olha diretamente para você, com seu exemplar amarrotado de O Código da Vinci em cima da mesa (Se bem que, dude, pode ser até Diário de um Banana), aquele ar de  suspense cheio de expectativa, o qual te faz, por um segundo, se sentir o oráculo do tempo. É a sua vez de ajudar o grupo e nossa, você ao menos deve ter ouvido falar alguma coisa disso nestes teus livrões que tu vive lendo, né, colega? Essa pergunta não precisa nem ser elucidada para você sacar que esse é o seu breakout point. Só que ninguém sabe que... O seu conhecimento sobre isso é tão nulo quanto o deles. E de repente, o seu chute disfarçado de verdade à la nariz empinado ("Provavelmente é uma análise mais detalhada sobre o objeto, sei lá"),  vira o discurso da proclamação da república. Isso pode ter os seus down sides (No final das contas, tu sabe que falou abobrinha, né?), mas imagine os vários conselhos, opiniões e decisões que você pode tomar com um pouco mais de propriedade (e reconhecimento) graças a simples existência de um livro debaixo do braço? Que ideia deve ser utilizada em tal trabalho? Qual o principal problema do seu relacionamento (D.R's ficam tão mais fáceis assim!)? Qual o melhor sabor de sorvete? (Diga o que tu menos gosta para se lambuzar com os restos que os maria-vai-com-as-outras's vão sonegar). Status quo, status quo!

  • É bem fashion e dá conteúdo ao sentido de hipster  (Já notou como um livro fica bem perto de uma camisa de flanela?)
Estamos em uma época que você tem que aparentar o seu interior. Claro, levando em consideração que ele seja, teoricamente, rico e muito original. Mas hoje em dia, você nem precisa dessa premissa na hora de se vestir como um pseudo-nerd de óculos de aro grosso e vocabulário entupido de pop cultura para ser propriamente considerado too cool for school pela sociedade. Já pensou em como ser inteligente hoje em dia parece quase fútil? Mas a verdade é que há uma grande diferença entre os hipsters e os verdadeiros intelectuais... Um livro em mãos para atestar a veracidade do seu QI. Isso sim ira mostrar o quão informado, excêntrico, inovador, 2012, trending topic você é. E de preferência o leia e não apenas o carregue como um acessório de moda, porque senão você será tão bocó quanto essa famigerada geração.

  • Quanto mais livros na bolsa, mais magro você fica (Tem pesos de academia mais leves que o terceiro volume de Game of Thrones, dude.)
 Esse tópico eu posso dizer com certeza absoluta: FUNCIONA. Ano passado eu perdi quase 10 quilos e tenho CERTEZA que todas as minhas corridas em prol do dia-a-dia com o os meus onipresentes dois livros reservas (um para passar o tempo e um caso eu esteja cansado do primeiro) fez parte dessa meta conquistada! Você tem noção de quanto pesa alguns desses livros, principalmente de fantasia, e como isso deixa os seus músculos muito mais torneados? Sim, delícia, dietinhas milagrosas de Ana Maria que se cuidem, ser culto chegou para abalar as balanças!

  • Suas conversas ficam muito mais dinâmicas e divertidas (O que um vocabulário rico não faz em uma falta de assunto...)
Piadas com referências malucas, sinônimos inusitados, jogos semânticos engraçados, comparações que uma mente sã nunca iria imaginar, silogismos ilógicos mas coerentes... Acho que eu me refereria assim a todos os milhões e milhões de papos que já tive com meus amigos que leem.  Parece que o mundo é muito mais amplo, colorido, recheado de divagações que você mesmo nunca acreditaria que poderiam ser colocadas no meio de um bate-bola sobre... Mc Catra. Essa é uma das mágicas mais proveitosas sobre os livros no nosso dia-a-dia... Eles se somam a tudo aquilo que você é e pode ser.

  • Você fica muito mais atraente (Mas isso também não faz milagres)
Quantas vezes eu pensei em o quanto eu ficaria louco por uma pessoa que reencenasse comigo uma das últimas partes do livro Um Dia e o quanto eu sonhei que alguém sacasse do que eu estava falando sem nem ter que explicitar que momento é esse! Nossa, isso ficou confuso... Mas essa complexidade mostra bem o que eu quero dizer: Gostar de livros é ser criativo, pirado e sonhador! Quem não gostaria de viver em um mundo de sonhos com outra pessoa, uma utopia só de vocês, no qual cenários não faltam para englobar todos os seus flashs especiais?  E isso não é algo que apenas eu acho. Um simples livro pertinho de você te torna mais charmoso, respeitável, de uma sensualidade sagaz que ultrapassa a vulgaridade que apenas uma pessoa "gostosona" consegue conquistar.  Cê dúvida? Pode levar um Victor Hugo pra balada que vai dar certo. (-N) Bem, mas você entendeu o que eu quis dizer.

Sabe o que eu acho? Escrevi cinco coisas bem práticas e sim, elas são bem elucidativas (Eu espero), mas ler é muito mais do que essa utilidade toda que eu procurei até aqui. Um livro tem tudo isso, mas ele também é mais do que algo funcional para nós, um mero conjunto de qualidades que vão ajudar nossa esperteza, lógica e status. Ele é ser supérfluo e feliz, porque é nesse escapismo, nessa tecla ESC que sempre usamos quando queremos buscar um sorriso no nosso rosto que está o verdadeiro motivo de gostarmos tanto de fugir da realidade para a ficção. E isso com certeza é mais do que apenas (Semi).

P.S: Você sabe quem é a garotinha do desenho? É a Matilda! Ué, não entendeu a referência da capa do livro? Talvez você conheça a versão cinematográfica dela...










Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

4 comentários:

  1. Ótimo texto, Trinta!
    A única coisa ruim sobre o hábito da leitura, na minha opinião, é que as pessoas acham que você é um Einstein da vida e não é bem assim.
    E esse Mc Catra, ein... Deus que me livre! rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Rafa! HAHAHAHAHAHA. Ser achado tudo isso pode ser frustrante, sabe? Mas dá pra ter seus usos também. :p
      MC Catra foi apenas um exemplo ilustrativo (e infeliz) que me vi forçado a usar!HAAHAHAHAHAHAHAHA. <3

      Excluir
  2. Oi, Trinta!
    Vou indicar seu texto para meus amigos que não gostam de ler e me perguntam por que eu gosto tanto!
    O primeiro tem tudo a ver como muita gente me enxerga, como se eu fosse a pessoa mais inteligente da turma, uma pena que eles estão enganados KKKKKKKK
    É muito bom conversar com quem lê, não é mesmo? A conversa simplesmente flui.

    Beijos,
    Bianca - www.epilogosefinais.co.cc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, essa ingenuidade do mundo.... HAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHA. Como a vida é dura (e boa) às vezes!
      E não a NADA como uma boa conversa cheia de referências a livros e com uma pessoa bem informada! Há uma conexão muito intensa da minha parte.

      Excluir