Cinco Trechos Inesquecíveis de Toda Luz Que Não Podemos Ver

By | quinta-feira, outubro 29, 2015 Leave a Comment
 Uma seleção de trechos que tornaram a obra de Anthony Doerr uma experiência memorável


















Essa semana a Editora Intrínseca está fazendo uma campanha muito especial. Nela, vários blogs parceiros foram convidados a falar de sua experiência com o livro Toda Luz Que Não Podemos Ver, uma obra tocante sobre a Segunda Guerra Mundial que facilmente se mostrou como um dos melhores livros que li esse ano (em breve, resenha, galera!). Para mostrar um pouquinho do que senti durante a leitura, separei cinco trechos que marcaram a minha "memória literária" para sempre.


Trecho 1: A genialidade de Madame Manec
- Sabe o que acontece, Etienne - diz madame Manec do outro lado da cozinha -, quando você joga uma rã em uma panela de água fervente?
- Você vai nos contar, tenho certeza.
- Ela pula para fora. Mas sabe o que acontece quando você coloca a rã em uma panela de água fria e então lentamente põe a água para ferver? Sabe o que acontece?
Marie-Laurie aguarda. As batatas soltam fumaça.
- A rã cozinha - fala madame Manec.
Uma das personagens mais fortes de TLQNPV com certeza é a revolucionária Madame Manec. Sem querer dar muitos spoilers, a personagem faz aqui uma analogia perfeita de toda a estratégia alemã quando iniciou o seu domínio da França. Nela, o exército alemão cortava aos poucos as regalias dos franceses, até chegar ao ponto de uma completa submissão. Uma forma assustadora de destruir a esperança de um povo.

É muito interessante como a nossa cabeça funciona quando estamos em uma situação de ameaça: se vemos o inimigo logo de cara, fazemos de tudo para fugir dele. Mas se vemos apenas pistas de sua existência, a incerteza e o desenvolvimento do medo em nossa cabeça nos enfraquece, como se não houvesse outra alternativa sem ser a derrota. Esse trecho, para mim, explica perfeitamente a situação e merece ser relembrado.

Trecho 2: Frederick sendo Frederick

- Cadete, você é o mais fraco? - pergunta Bastian.
- Não sei, senhor.
- Não sabe?
Uma pausa. No rosto de Bastian surge uma propensão oculta ao antagonismo.
- Olhe para mim ao falar - diz o comandante.
- Algumas pessoas são fracas de algumas maneiras, senhor. Outras, de outras maneiras.
Taí um trecho que eu me identifico. Até porque, eu sempre entendi o Frederick: ele simplesmente nasceu na época errada. A guerra não foi feita para ele. Ele não foi feito para guerra. Essa fala mostra o que há demais humano em todos e que era simplesmente inadmissível para a elite alemã: a ideia de que até os próprios germânicos tivessem falhas e inseguranças.

Trecho 3: O projeto do Reich 

- Desordem. Vocês ouvem o comandante dizer. Vocês ouvem os chefes de dormitório dizer. Deve haver ordem. A vida é um caos, senhores. E o que representamos é a imposição de uma ordem ao caos. Mesmo no caso dos genes. Estamos impondo a ordem na evolução das espécies. Separando os inferiores, os desregrados, separando o joio do trigo. Esse é o grande projeto do Reich, o maior projeto no qual os seres humanos nunca antes embarcaram. 
 Separei esse mais pelo ódio que senti ao lê-lo. Detesto ver esse embasamento tolo e estúpido que Hitler criou para expurgar o seu preconceito. Ordem, my ass. Dá para não sentir raiva ao ler uma coisa tão abominável quanto essa?

Trecho 4: Pássaros
Werner fita o azul das paredes e pensa no Birds of America, o savacu-de-coroa, a mariquita de Kentucky, o tangará escarlate, uma ave gloriosa após outra, e o olhar de Frederick permanece fixado em algum terrível terreno intermediário, cada olho uma poça estagnada dentro da qual Werner não suporta olhar.

O que poderia dizer sobre esse trecho que as minhas lágrimas internas já não mostram?  Sem expor muito sobre o que aconteceu, mas esse trecho, para mim, mostra o fim de uma vida. Indefinidamente.

 Trecho 5: Segredo

"Uma quarta porta, e uma quinta, e assim sucessivamente até você atingir a décima terceira, uma pequena porta trancada, menor que um sapato."
"Então como sabe que está lá de verdade?"
"Você precisa acreditar na história."
Marie-Laurie vira a casinha de cabeça para baixo. Um diamante com formato de lágrima cai na palma da mão dela.
Esse trecho marca, para mim, a grande reviravolta da trama. Não existiria clímax na minha cabeça sem ele. Marie-Laurie finalmente descobrindo a verdade <3

E aqui termino a minha lista de trechos preferidos. E você que leu o livro, quais são os seus? Não deixe de comentar aqui embaixo!
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários: