Trinta gosta de esconder a cara atrás de um livro para fugir de pessoas. Ele nem sempre consegue, mas já escapou de muitas conversas indesejadas assim. Dica: Procure as lombadas de clássicos – O Morro dos Ventos Uivantes já o ajudou a assustar muito papo furado. Particularmente, ele adora escritores invasivos; daqueles que parecem estar em todos os lugares armados com os comentários mais ardilosos. Lê qualquer coisa, mas adora um romance, mistério, terror e críticos.

Patrícia possui como regra seis livros lidos pela metade espalhados na cama (fenômeno que Douglas Adams chamaria de "um Ballycumber"). Ela ama livros: o cheiro deles, as capas, o papel cor creme. Lê o que gosta, o que acha que vai gostar, lê o que deve ler pra ser uma pessoa melhor (ou ao menos é o que dizem). Quando encontra um daqueles livros especiais cuja alma se identifica, irá lê-lo muito rápido e viver dentro dele por um tempo. Ela acredita que você sempre deve ler um livro mesmo que todo mundo diga que ele é ruim porque a única opinião que importa é a sua – e que é tudo bem abandonar livros pela metade, porque livros tem hora certa para serem lidos.
Natan é um polímata: escreve, compõe, arranja, desenha, edita, canta debaixo do chuveiro, tem gatos, cachorros e toca teclado aos domingos. Prefere a prosa, mas também escreve poesia (em Inglês (não perguntem o porquê)). Começou escrevendo em seu diário e acabou estacionando na literatura gay. Atualmente procrastina preguiçosamente sobre seu terceiro romance, que pretende terminar (um dia). Gosta de histórias de amor de banca de jornal e nunca conseguiu fazer um pão de queijo decente, mas continua tentando.
Julio se define como o Caos. Metido a escritor e amante de coisas esotéricas, ele busca uma resposta para todas as coisas que o cerca. Apaixonado por mitologia, coisas estranhas, história, serpentes e corujas. Julga que cada livro é um tesouro, e deve ser tratado como tal. Assim como acha que cada leitura é uma viagem, de onde devemos deixar todos nossos preconceitos de lado por um instante e se jogar ao Novo. Ah, e ele acredita em magia, assim como toda história que lê é real – nem que seja em um mundo paralelo.
Laisa C. (ou Couto) é contadora de histórias e pensamentos inúteis. Aprecia as horas noturnas e um bom chocolate quente.Tropeçou na Literatura por acaso e resolveu ficar por lá. Não sabe fazer mágica, mas acredita que ela existe.
Nikos é aquele leitor que prefere lamber a devorar um livro. Para ele, um mês para "caminhar" sobre 245 páginas é o tempo ideal. Talvez seja por isso que se assuste tanto com a Bíblia Sagrada de Tolkien, mas um dia chega lá.